As melhores Informações

PÁGINA INICIAL CURIOSIDADES DESTAQUES DICAS INTERNACIONAL BRASIL OUTROS REFLEXÃO ORÇAMENTOS

APOSTILAS PROGRAMAS EMPREGOS CONTATO SUGESTÃO QUEM SOMOS ENVIE SUA NOTÍCIA

Como o câncer mudou minha personalidade

The New York Times - 15/08 - 16:12

Como o câncer mudou minha personalidade. Dizem que o câncer muda a gente. Pode ser. Quando descobri que tinha câncer de mama há 12 anos, virei uma comediante.

Não do tipo que a gente paga para assistir. Apenas aquele tipo de comediante que vaga pelos corredores de hospital e salas de exame oferecendo opiniões incomuns, observações sabichões, comentários ultrajantes.

Para minha oncologista – uma mulher baixinha e enérgica, que me informou que meu tumor era “bastante agressivo” – reclamei sobre o título do panfleto que ela tinha me dado, “A Quimioterapia e Você”. Disse que preferia que o título fosse “A Quimioterapia e Outra Pessoa Que Não Você”.

Também reclamei sobre a descrição escrita simpática e marqueteira sobre a família e dos hobbies da médica. Família, tudo bem. Mas hobbies? Não queria ser tratada por um médico que tivesse tempo para hobbies. Queria que ela passasse todas as horas do seu dia se concentrando em curar o câncer, particularmente aquele tipo diagnosticado no meu próprio relatório patológico cruel.

Para todo mundo, especialmente as pessoas que usavam bata branca e carregavam uma agulha, eu informava que estava escrevendo um livro sobre câncer. Tentava parecer furiosamente litigiosa sempre que falava.

No meio disso tudo – os retornos, os sarcasmos, a tagarelice – eu tinha pouca idéia do que estava fazendo. Eu queria ser alguém, uma personalidade reconhecida, um ser humano memorável, de pedigree, e não somente uma paciente com câncer. Eu já tinha mesmo perdido a pessoa que eu costumava ser, aquela mulher saudável e enérgica de 45 anos de idade. Não podia perder mais.

Outros amigos meus tinham seu estilo próprio de conquistar uma individualidade no mundo do câncer. Um deles, um psiquiatra, questionava qualquer decisão médica. Outra, que não era nem um pouco introvertida, aterrorizava os técnicos de enfermagem. “Você tem a oportunidade de me furar e encontrar uma veia”, ela dizia a eles. “Se você não sabe fazer isso, ache alguém quem saiba”.

Eu também me confortava com o relato de Anatole Broyard sobre seu tratamento contra o câncer, maravilhosamente escrito e às vezes hilário, publicado em 1992 com o título de “Intoxicated by My Illness”, dois anos depois de sua morte por câncer de próstata. Broyard, crítico literário e editor do “The New York Times”, uma vez dispensou um célebre cirurgião porque não gostou do jeito como ele usava o gorro cirúrgico na sala de cirurgia. Parecia, como ele escreveu, “como se sua cabeça estivesse usando uma camisinha”.

A visão de Broyard era essa: “Uma doença crítica é como uma grande permissão, uma autorização ou absolvição. Não tem nenhum problema se um doente terminal for romântico, até louco, se ele quiser. Toda sua vida você pensa que deve segurar sua loucura, mas quando você está doente pode soltá-la, em suas cores mais berrantes”.

Sim! Eu também estava passando por aquilo. As cores berrantes, aquela loucura e liberdade, aquele discernimento total sobre o que era importante e o que não era. Às vezes eu sentia como se tivesse vivido minha vida meio adormecida. Mas hoje... hoje estou bem acordada.

À medida que meus tratamentos geravam um desgaste maior – o cateter no peito, a quimioterapia, os remédios contra enjôo, o fato de ficar careca, a fadiga, a radiação – meu bom humor e senso de clareza começaram a minguar. Uma noite, em uma peça de teatro, observei uma mulher no outro lado da platéia. Ela era atraente, de meia idade, vibrante. Completamente diferente de mim, do que eu me tornei nos últimos tempos. Afundei na minha poltrona, sentindo-me desgastada, vazia e envelhecida.

Na última vez que visitei minha oncologista depois do fim dos meus tratamentos, me senti perdida. A imagem recorrente que freqüentava minha mente era que alguém com uma pinça gigante me pegou, me chacoalhou e me jogou de volta no chão. E agora?

Eu disse a minha oncologista: “Acho que quero lhe perguntar como viver”.

Ela me disse que eu poderia viver da mesma forma que antes – trabalhando, cuidando das crianças, praticando exercícios, viajando, aproveitando a vida. Tudo, de verdade. Eu poderia viver uma vida normal.

Ao sair de seu consultório, percebi o quanto eu tinha perdido a mim mesma nos meses anteriores. Eu precisava me lembrar de quem eu era.

Você pode me dizer quem eu sou? Nunca fiz essa pergunta a minha oncologista. Provavelmente ela ia pensar que eu estava brincando, como sempre.

*Ruth Pennebaker

Voltar

Mais de 30 notícias relacionadas...
- Bebê loiro e de olhos azuis nasce de pais negros.....leia mais
-
Pacientes 'quase' desenganados têm alta após tratamento diferenciado.....leia mais
-
PORQUE A PIMENTA DEIXA SUA BOCA QUEIMANDO.....leia mais
- Uso de tinturas e outros cosméticos requer cuidado na gravidez.....leia mais

- Amar é adubar, admirar e gerar vida a cada dia.....leia mais

- 10 erros que fazem seu currículo ir parar no lixo.....leia mais
- Fotografar refeição ajudaria na dieta.....leia mais
- Hidrelétrica de Itaipu vai usar sobra de água para produzir.....leia mais
- Como poupar e onde investir o seu dinheiro.....leia mais

- A dor é uma sensação que se manifesta quando um incentivo maléfico é.....leia mais
- Aeroportos britânicos terão "scan facial" de passageiros.....leia mais
- PAI, você é fera - Enquanto estamos aqui na terra temos um desafio......leia mais
- Só é feliz quem consegue desapegar-se.....leia mais
- Um padre e cosmólogo polonês que sustenta a possibilidade de comprovar matematicamente a existência de Deus....leia mais

- Busca por suicídio gera mais sites pró do que contra, diz estudo.....leia mais
- Descobrir alguém leva tempo.....leia mais
- O que é ser católico?.....leia mais
- A moral sexual e a mulher.....leia mais
- Conforto para dormir bem.....leia mais

- Dicas básicas de Fireworks Mx.....leia mais
- Humanidade esteve à beira da extinção, segundo paleontólogos.....leia mais
- 34,5 milhões vivem sem esgoto nas cidades.....leia mais
- O capitalismo é bom?.....leia mais
- Faça uma análise de sua satisfação sexual!.....leia mais

- O perigo de um desabafo. Quando um colega se transforma num conselheiro.....leia mais
- Como o câncer mudou minha personalidade....leia mais
- Testes de computador aumentam agilidade cerebral, diz estudo....leia mais
- Células-tronco: Vitória de quem?....leia mais
- Cientistas estão mais perto de "capa da invisibilidade"....leia mais

- China admite que fogos na abertura foram truque....leia mais

- Perdoar é ser INTELIGENTE nos dias de tanta falta....leia mais
- É um fator mais psicológico e social do que físico, a VIRGINDADE....leia mais
- Aeroportos britânicos terão "scan facial" de passageiros....leia mais
- Pessoas com deficiência auditiva ou da fala poderão pagar menos por mensagem de texto em celular....leia mais
 
 

Todos os Direitos reservados desde 2008
Página Inicial / Quem Somos / Divulgue-nos / Anuncie
Downloads / Contato/ Topo